domingo, 16 de janeiro de 2011

Jesus Cristo Superstar: Desmistificando Judas


Já ouviu falar no musical polêmico que virou Ópera-rock , depois virou filme em 1973 e que ganhou uma refilmagem em 2000( é o que dizem!) chamado Jesus Cristo Superstar ?

Se não, não sabe o que está perdendo!


A história conta sobre a vida de Jesus nos sete últimos dias de vida até a crucificação (sem contar a ressurreição) .

Até ai nada demais, porque isso traria polêmica?

Um ponto que fez os cristãos arrancarem os cabelos foi o fato de eles entenderem que o filme parodiou os fatos colocando elementos da "época do paz e amor" que rolava nos anos 70, época em que o filme foi gravado e que a peça foi escrita por Andrew Lloyd e Tim Rice.

Apóstolos usando calças boca-de-sino e ostentando os penteados mais esdrúxulos , soldados romanos usando metralhadoras, calças camufladas e coturnos, um rei Herodes que vive em um harém/bordel sobre a água e canta em ritmo de música de cabaré, contrabandistas de haxixe, granadas e mulheres negociando impunemente nos templos hebreus, tanques de guerra: a incorporação de elementos tão comuns na época do "Paz e Amor" e a guerra do Vietnã, contribuíram para a composição de um cenário não destoante em seus propósitos, mas extremamente verossímil e contemporâneo (pra época).

Além disso tudo ainda tem um Jesus 'sangue no zoio' quebrando tudo como um legitimo superstar.

Nada que parecesse desrespeitoso à história original. Mas alguns católicos são meio Márcia Goldsmith, aderem o lema: Mexeu com que relata a bíblia , mexeu comigo. Independente do que seja abordado.

Sei disso, pelas constantes críticas que recebo fazendo uma série chamada Jesus Stund-Up.

Mas acredito que o que fez a obra se tornar polêmica de verdade, foi o fato de o ponto de vista narrado na história ser do traidor de Cristo, Judas Iscariotes.

Uma visão mais humana e compreensiva de alguém que foi tratado durante 1.970 anos como sinônimo de mercenário e traidor não poderia passar desapercebido pelos fieis cristãos.

Tenho uma teoria:

Toda religião precisa de um demônio.

Todo demônio precisa de uma cara.

Toda cara tem que ser de um bode expiatório.

Todo bode expiatório não tem direito de defesa.

Coloco minha cara a tapa para críticas dos cristãos. Pois do meu ensinamento católico, pouco absorvi e não tenho muita munição para uma possível discussão.

Mas o filme mostra um Judas, que no filme é negro e hippie, seguidor de Jesus, inseguro e acima de tudo, questionador da falta de planejamento e das supostas divindades de Cristo .

Em um diálogo na música Everything's Alright (Tudo está bem) - assim como em alguns outros diálogos durante o filme, mas nesse ele confronta Jesus diretamente - mostra um Judas socialista e inconformado com a falta de atitudes reais de Jesus.

http://1.bp.blogspot.com/_cIsGzrRrrek/TSTodoocGlI/AAAAAAAAF_4/s4egv5wlouE/s1600/jesus%2Bsuperstar.JPG
Acho que isso desmistifica o Jesus inescrupuloso e sem coração .

Algumas cenas depois o filme desmistifica o Judas Mercenário pelo fato dele trocar um Jesus que não mostrava atitudes física em defesa dos oprimidos em troca de dinheiro para ajudar esses mesmos oprimidos que Jesus ,teoricamente, virou as costas.

Segundo o Evangelho de Judas diz que foi Jesus que pediu para ser entregue. Bem, vai saber...

Fim do filme: Judas se enforca, aparece como um anjo para falar com Jesus e ao que parece ressuscita e vai embora com os outros hippies, ops , apóstolos, em um ônibus bem "paz e amor".

Concluindo, nada justifica a traição e a conivência de um assassinato, mas nada na história do filme, não sei até quanto foi retirado da história real, o que não quero dizer que seja o que está está escrito na bíblia, mostra um Judas inescrupuloso e mercenário.

Away?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário